História

A Modernidade Chega ao Centro do RJ

Em meados da década de 70, o Mosteiro de São Bento, proprietário do imóvel situado na avenida Rio Branco n° 1, interessado em um melhor aproveitamento comercial do terreno ocupado pelo edifício conhecido como Casa Mauá, original da Avenida Central, contrata o escritório Édison Musa Arquitetos Associados para elaborar o projeto de um novo prédio. Entre aprovação do projeto e demolição da Casa Mauá são consumidos quatro anos de negociações.

Em 1983, inicia-se a construção de concepção internacional style: uma torre de 28 andares, dos quais 10 pavimentos são de garagem e 18, de escritórios com sua roupagem de concreto aparente, vidro e alumínio. Em 1986, o reaquecimento da economia (Plano Cruzado) e o esgotamento do racionalismo modernista redirecionam o marketing da incorporadora que, aproveitando-se da influência crescente do pós-modernismo, procura conferir uma nova imagem à construção.

Assim, em junho de 1986, um grupo composto pelo Abade do Mosteiro, o Presidente e o Diretor de Marketing da João Fortes Engenharia, o autor do projeto e o administrador dos imóveis do Mosteiro de São Bento viaja aos EUA com o objetivo de observar os novos edifícios pós-modernos construídos em New York, New Haven, Stamford e Houston, na tentativa de modificar a visão do arquiteto e realizar contatos com os escritórios de arquitetos estrangeiros visando a viabilização de uma joint venture com o escritório Musa, possibilitando sua publicação nas principais revistas internacionais de arquitetura.

Concluída a viagem, apesar de não ter sido concretizada a joint venture, é constituído um grupo de trabalho com o objetivo de traçar as novas diretrizes e modificações do projeto. A aparência das fachadas é pós-modernizada e a estrutura, reforçada; a entrada principal é valorizada por uma galeria, com alguns pilares falsos e arcadas com referências às do Mosteiro de São Bento. Também é incluído um relógio marcando a entrada principal.

No final de 1989, o edifício recebe o habite-se. Em abril de 1992, o condomínio torna-se o primeiro edifício comercial da cidade do Rio de Janeiro administrado por autogestão.

Fonte: RHEINGANTZ, P. Complexo RB1: Território de Conflitos de Percepções e Expectativas – https://prolugar.fau.ufrj.br/wp-content/uploads/2017/10/complexo_rb1nutau1996.pdf

Sobre o Relógio

  • O maior relógio do mundo, de 4 faces, é o da Central do Brasil, com 10 metros de diâmetro, o 2º maior é o da antiga Mesbla, no Passeio Público, hoje Lojas Americanas, com 9 metros de diâmetros, o 3º maior é o do RB1, com 7,80 metros de diâmetro.
  • O Big Ben, em Londres, tem 7,5 metros de diâmetro.

O que chama atenção em nosso relógio, alvo por vezes de críticas, é a grafia do número 4 em algarismos romanos com 4 repetições da letra I (IIII), forma aparentemente errada mas usada desta forma até o século XVI – como exemplo o relógio da Praça de São Marcos em Veneza que reproduz essas repetições até o número 24. Posteriormente os números romanos passaram a ser escritos da forma usualmente conhecida.

A relojoaria tradicional conserva a forma primitiva que todos os relógios clássicos apresentavam durante as décadas de 30 e 40.

A empresa responsável pela musicalização do nosso relógio foi a HORAFLEX, que também musicou os relógios do Batalhão Naval (Ilha das Cobras), Colégio Militar, Largo da Carioca e do Shopping Barra Point.

O repertório escolhido, gravado no próprio condomínio, entre músicas natalinas e de boas vindas ao Novo Ano, presenteia os usuários do prédio e a população com Cidade Maravilhosa, Jesus Alegria dos Homens, Ave Maria, Aquarela do Brasil, Luar do Sertão entre outras. Homenageamos também, nossos vizinhos da Marinha do Brasil, com Cisne Branco, sempre às 11 horas.

O próximo passo da administração do RB1 será a iluminação do relógio.

Modernização

  • 2022 – Adequação à LGPD

    A implantação da Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD está a pleno vapor. Depois do mapeamento e tratamento adequado de dados sensíveis, foram feitas adequações aos contratos. Atualmente, além dos ajustes na área tecnológica, os profissionais da equipe foram treinados.

  • 2022 – Sistema CFTV

    Foram concluídos os serviços de modernização do Cricuito Fechado de TV – CFTV do edifício. Com o propósito de aprimorar a segurança dos usuários e visitantes, as câmeras foram substituídas por tecnologia sem fio (IP), que oferece melhoria na qualidade das imagens.

  • 2022 – Melhorias Elétricas

    Está em fase de ajustes finais o projeto elétrico que vai contemplar reformas, melhorias, adequação e redimensionamento da subestação que fornece energia elétrica para o Centro Empresarial Internacional do Rio – RB1.

  • 2022 – Iluminação da Fachada

    Início da obra de reativação da iluminação da fachada do RB1, utilizando a tecnologia LED.

  • 2021 – Sistema de Refrigeração

    Todo o sistema de refrigeração foi substituído por VRF que opera com máxima economia e dispõe de conceito mais moderno de operação e eficiência com redução de danos ao meio ambiente pois possui filtragem fina que possibilita maior controle da qualidade do ar. Além disso, o sistema é dotado de automação integral que permite a redução de custos operacionais.

  • 2017 – Reforma dos Corredores

    Neste ano, iniciamos a revitalização dos andares, para acompanhar o design do hall de entrada e manter a beleza e a funcionalidade do prédio.

  • 2011 – Hall

    Acompanhando a modernidade e a revitalização da Zona Portuária, o RB1 remodelou os halls de entrada, adequando a parte comum do prédio aos novos padrões internacionais de hall e recepção de grandes edifícios corporativos. Além da usual manutenção e da garantia de conforto ao usuário, o projeto, a cargo do arquiteto André Piva, enalteceu a elegância que sempre foi um dos atributos mais marcantes da construção, lançando mão de modernos elementos da arquitetura contemporânea.